Minha visita à Dignitas

Em 14 de setembro de 2017, vivi uma das maiores experiências acadêmicas da minha vida. Fui a “DIGNITAS – Viver com dignidade – Morrer com dignidade” (ao longo do texto vou chamá-la apenas de Dignitas), a organização mais conhecida no mundo em prol do direito à escolha acerca dos desejos no fim de vida.

Você deve estar pensando “como você teve a coragem de seguir Dignitas”? “Que coisa mórbida”. Além de ser tentado a fazer piadas como “você se atreveu a beber água lá?” Sim! Eu tive a coragem de ir para Dignitas e eu voltaria lá mil vezes se me acolherem e eu vou te dizer por que:

Em 15 de setembro de 2017, lancei o livro “Tratado Brasileiro sobre o Direito Fundamental à Morte Digna” na Universidade de Lisboa, em Portugal. Sabendo de minha viagem à Europa, decidi visitar Dignitas, mas fiz uma resolução unilateral e não contei a eles.

Sim, foi uma loucura. Eu tive a ideia, contei para minha sócia (e grande amiga) e ela me presenteou com as passagens aéreas de Lisboa a Zurique, pensando que eu já tinha contatado Dignitas, acontece que eu, ingenuamente, pensei que seria possível entrar em contato poucos dias antes… As passagens foram compradas em 29 de agosto e em 30 de agosto enviei meu primeiro e-mail para a Dignitas. Mas, recebi uma resposta dizendo que a visita não era possível. E eu comecei minha saga. Eu insisti, enviei vários e-mails, enviei meu currículo em inglês, liguei para lá mais de 7 vezes em um único dia, e no dia 07 de setembro recebi sua aceitação.

Antes de tudo, tenho que lhes dizer que tive muita sorte. A Dignitas não é um lugar aberto aos visitantes e ao contrário do que eu imaginei (e ao contrário do que a mídia nos diz), não é uma clínica. A Dignitas é uma sociedade sem fins lucrativos que defende, educa e apoia a melhoria dos cuidados e as tomadas de decisões autônomas no fim da vida, uma organização cujo principal objetivo é implementar a liberdade de escolha e autodeterminação em questões de vida digna e morte em todo o mundo. Não é um hospital, um hospice, uma clínica, um consultório médico ou algo assim. Não há médicos empregados na Dignitas.

A configuração que eu encontrei foi: mesas, cadeiras, telefones, arquivos e pessoas trabalhando – assim como qualquer escritório em qualquer lugar do mundo. Não havia nada mórbido, nem mau tempo …

Passei cerca de duas horas conversando com um dos membros do conselho, um advogado, responsável pela Dignitas hoje e, embora muitas das minhas duvidas tenham sido respondidas em seu site (www.dignitas.ch), na verdade, teve uma emoção extra.

Eu podia ver como a informação recebida está mal representada. O suicídio assistido é apenas uma das obras da Dignitas. Mas a maior – e o mais importante deles – é a informação e a educação sobre a qualidade de vida, a escolha e a morte digna, incluindo a importância das pessoas que ganhavam a vida (sim, meus pequenos olhos brilhavam). Eu ouvi algumas vezes que eles acham que a discussão sobre liberdade de escolha e autodeterminação em questões de vida e morte digna socialmente mais relevante do que a discussão sobre suicídio assistido.

Percebi o valor da autonomia do paciente. E vi, na prática, quão burocrático é para um estrangeiro ter acesso ao suicídio assistido na Dignitas. O chamado “turismo da morte” está longe de ser um oásis. Dignitas tem um rigor imenso que precede a realização do suicídio assistido e, para ter uma ideia, o período mínimo entre a candidatura, a adesão a Dignitas e a realização do suicídio assistido é é de no mínimo, três a quatro meses. Então, não apenas diga “Eu quero morrer em Dignitas”, eles têm um lema: pensar, ler e depois agir. Ou seja, se você se interessar pela matéria, leia a grande quantidade de material no site da Dignitas. Somente após a pessoa ter certeza de que compartilha os mesmos valores da Dignitas, ela pode se tornar um membro e, eventualmente, realizar suicídio assistido se cumprir os critérios legais.

Em outras palavras, é necessário passar por um longo processo de envio e análise de documentos (todos oficialmente traduzidos para inglês, alemão, francês ou italiano) e, em uma etapa posterior ao procedimento de avaliação, duas consultas com um médico suíço ( que não tem ligação com Dignitas), que deve certificar a gravidade da doença, bem como o discernimento do paciente.

Ao contrário do que ouvi falar de muitas pessoas, Dignitas não é uma “máquina da morte”, mas uma instituição que defende o direito à autodeterminação e escolha na vida e uma morte digna, dentro da lei do país em que se baseia (Suíça) e todo o procedimento é feito de acordo com critérios legais.

E, não, não vi ninguém morrer. Mas eu vi pessoas que lutam dentro dos limites legais para garantir a autonomia de fim de vida dos pacientes até o último momento. E fiquei muito grata pela oportunidade. Então compartilho essas linhas com você com a permissão da Dignitas.
Abraço,
Luciana.

 

 

English Version

On 14 September 2017 I lived one of the greatest academic experiences of my life. I went to Dignitas – To live with dignity – To die with dignity (hereafter in short “Dignitas”, the best known organization for the right to choose in life and life’s end in the world.

You must be thinking “how come you had the courage to go on Dignitas”? “What a morbid thing.” As well as being tempted to make some jokes like “did you dare to drink the water there?”

Yes! I had the courage to go to Dignitas and I would go back there 1,000,000 times if they would welcome me and I will tell you why:

On 15 September 2017 I launched the book “Brazilian Treaty on the Fundamental Right to a Dignified Death” at the University of Lisbon, in Portugal. Knowing my trip to Europe, I decided to visit Dignitas, but I made a one-sided resolution and I did not tell them.

Yes, it was crazy. I had the idea, I told my partner (and a good friend) and she gave me the tickets to go to Zurich, thinking that I had already contacted Dignitas, but I, naively, thought it would be possible to get in touch the day before … The tickets were bought on 29 August and on 30 August I sent my first email to Dignitas. But, I received an answer saying that the visit was not possible. And I started my saga. I insisted, I sent several e-mails, I sent my curriculum in English, I called there more than 7 times in a single day, and on 07 September I received their acceptance

First of all, I have to tell you that I was very lucky. Dignitas is not a place open to visitors and contrary to what I imagined (and contrary to what the media tells us), it is not a clinic. Dignitas is a not-for-profit member’s society which advocates, educates and supports for improving care and choice in life and at life’s end, an organization whose main objective is to implement freedom of choice and self-determination in matters of a dignified life and death around the world. . It’s not a hospital, a hospice, a clinic, a doctor’s office, or anything like that. There are no doctors employed at Dignitas.

The setting I found were tables, chairs, phones, files and people working – just like any office anywhere in the world. There was nothing morbid, no bad weather….

I spent about two hours talking to one of the board members, a lawyer, responsible for Dignitas today and although many of my doubts were answered on their website (www.dignitas.ch), being actually there had an extra thrill.

I could see how the incoming information is misrepresented. Assisted suicide is just one of the works of Dignitas. But the biggest – and most important of them – is information and education about quality of life, choice and dignified death, including the importance of people making a living will (yes, my little eyes shined). I have heard over and over again that they find the discussion about living will much more socially relevant than the discussion of assisted suicide itself.

I realized the value of the patient’s autonomy. And I have seen, in practice, how bureaucratic it is for a foreigner to access assisted suicide at Dignitas. The so-called “tourism to death” is far from being an oasis. Dignitas has an immense rigor that precedes the accomplishment of assisted suicide and, to have an idea, the minimum period between the application and membership to Dignitas and the accomplishment of assisted suicide is at least three to four months. So, do not just say “I want to die at Dignitas”, they have a motto: think – read and then take action. That is, if you first become interested in the subject, read the vast amount of material on Dignitas’ site. Only after the person is sure that he or she shares the same values of Dignitas can she decide to become a member and eventually perform assisted suicide if she meets the legal criteria for both.

In other words, it is necessary to go through a long process of sending and analyzing documents (all officially translated into English, German, French or Italian), and, in a later stage of the assessment procedure, two consultations with a Swiss doctor (who has no connection with Dignitas) who must certify the severity of the disease as well as the patient’s discernment.

Contrary to what I have heard from many people, Dignitas is not a “death machine”, but an institution that defends the right to self-determination and choice in life and a dignified death, within the law of the country in which it is based (Switzerland) and the whole procedure is done according to legal criteria.

And, no, I did not see anyone die. But I have seen people struggling within the legal limits to ensure the end-of-life autonomy of patients until the last moment. And I was very grateful for the opportunity. So I share these lines with you with the permission of Dignitas.

Sincerely,

Luciana.

Luciana Dadalto
Luciana Dadalto é fundadora do Portal Testamento Vital e do RENTEV, autora de livros e artigos científicos sobre o tema no Brasil, doutora em Ciências da Saúde pela faculdade de Medicina da UFMG e mestre em Direito Privado pela PUCMinas. Sócia fundadora do Dadalto & Carvalho Advocacia e Consultoria em Saúde.
Contactar

Deixe um comentário

Como fazer o testamento vital?

icon-requisitos
Requisitos

No Brasil não existe legislação específica sobre o tema e nenhuma determinação legal para formalização do testamento vital. Por este motivo os cuidados devem ser ainda maiores.

icon-profissionais
Profissionais a serem consultados

Ao realizar um testamento vital, recomenda-se consultar dois profissionais: um médico e um advogado de sua confiança.

icon-conteudo
Conteúdo

Em linhas gerais, o testamento vital nos ordenamentos jurídicos estrangeiros tem como conteúdo disposições de recusa e/ou aceitação de tratamentos que prolonguem a vida.

Mais recentes

Notícias, eventos e todas as novidades sobre testamento vital, diretivas antecipadas e muito mais.

Fique atento no portal

Cadastre-se e receba informações sobre o testamento vital.